Doria volta a buscar dinheiro para despoluição do rio Pinheiros/SP

A Desenvolve SP diz que está em negociação para captar US$ 75 milhões para o projeto de despoluição do rio Pinheiros com o IFC, braço do Banco Mundial para o setor privado. O banco também espera captar recursos da CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina) e do NDB (Novo Banco de Desenvolvimento, o banco dos Brics).

Se der certo, a nova rodada de captação vai aliviar o receio das empresas que embarcaram no projeto do Pinheiros, amparadas no plano de financiamento do governo Doria para as vencedoras dos editais da Sabesp, com taxas a partir de 0,17% ao mês mais Selic.

Até agora, a Desenvolve SP aprovou quatro operações de crédito para a área no valor total de R$ 84,64 milhões. Outras oito propostas de financiamento estão ainda em fase de análise.

Recuperação Ambiental

A recuperação do Pinheiros é menina dos olhos do governador João Doria na área ambiental e tem potencial de valorização imobiliária do entorno.

A Desenvolve SP diz que os recursos não acabaram. “Estamos captando para ganhar capacidade de alavancagem e liquidez, uma operação normal no mercado. Porque existe uma crise de liquidez na economia mundial e brasileira, e, em São Paulo não é diferente”, afirma em nota.

A instituição diz que ajustou suas políticas de crédito na pandemia por causa da necessidade emergencial de liquidez das pequenas e médias empresas. Segundo a Desenvolve SP, a prioridade tem sido fornecer crédito emergencial na linha de capital de giro.

“Agora, na etapa de recuperação econômica (6 a 12 meses do início da pandemia), estamos empenhados na internalização de recursos para projetos de investimento”, afirma a instituição.

Fonte: Folha UOL.

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-color: #ffffff;background-size: cover;background-position: top center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 100px;}#main-content .dfd-content-wrap {margin: 0px;} #main-content .dfd-content-wrap > article {padding: 0px;}@media only screen and (min-width: 1101px) {#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars {padding: 0 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child {border-top: 0px solid transparent; border-bottom: 0px solid transparent;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width #right-sidebar,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width #right-sidebar {padding-top: 0px;padding-bottom: 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel {margin-left: -0px;margin-right: -0px;}}#layout .dfd-content-wrap.layout-side-image,#layout > .row.full-width .dfd-content-wrap.layout-side-image {margin-left: 0;margin-right: 0;}